Próteses dentárias: quais são os tipos e como funcionam?

Saiba mais sobre a alternativa mais em conta para a substituição de dentes perdidos.

 

Você certamente já ouviu falar em chapa, ponte, jaqueta, dentadura. Elas são conhecidas por muitas denominações, mas em comum têm o mesmo objetivo: são a solução para quem tem ausência de um ou mais dentes, independentemente do motivo: necessidade de extração, acidentes e etc. Uma grande vantagem das próteses é o seu custo: elas são mais baratas que os implantes dentários.

Existem diferentes tipos de prótese dentária, que se adaptam aos casos específicos dos pacientes. Elas podem ser totais, quando é necessário substituir os dentes de toda a arcada, ou parciais, quando a pessoa apresenta ausência de apenas alguns dentes. Além disso, há próteses fixas ou removíveis. O responsável por definir qual o melhor modelo é o cirurgião dentista no consultório, após análise minuciosa do problema a ser corrigido e histórico do paciente.

 

Como funcionam as próteses fixas?

As próteses fixas são indicadas para quem perdeu algum dente, mas possui outros próximos ainda em boas condições. Nestes casos, são utilizadas as “pontes”, estruturas anexadas aos dentes ao lado da prótese. É comum também chamá-las de “coroas”.

O paciente que apresenta indicação para as próteses fixas tem uma vantagem estética em relação ao uso das removíveis: elas se assemelham muito aos dentes naturais, tornando-se praticamente imperceptíveis.

 

Como funcionam as próteses removíveis?

As próteses sempre são fabricadas a partir de moldagens na boca do paciente. Existem especialistas focados apenas na confecção das próteses: os protéticos.

A seguir, os tipos mais comuns nesta categoria de próteses:

 

 

  • Prótese parcial removível (PPR):

 

A PPR é composta por uma estrutura metálica com grampos, responsáveis pela retenção nos dentes que ainda existem. O grande benefício desta prótese é a estabilidade para mastigar e proteger os dentes. A desvantagem é que ela tende a ser menos discreta, uma vez que os grampos ficam aparentes.

 

 

  • Prótese parcial removível flex:

 

Ela é a queridinha entre as próteses parciais removíveis. Um componente chamado poliamida é injetado na prótese, dispensando metais e grampos metálicos. Assim, ela é a mais discreta com relação à PPR com metal. As vantagens são o conforto, a estética e a flexibilidade. Por se tratar de um material mais leve, ele se adapta com mais facilidade à gengiva do paciente.

 

 

  • Prótese total:

 

O paciente não apresenta nenhum dente na arcada? Prótese total! Geralmente confeccionada com resina acrílica, sua fabricação é a mais detalhista de todas. Assim como as demais, este é um tratamento que devolve qualidade de vida ao paciente, pois garante estética e facilidade para falar, mastigar e sorrir.

 

Vou ficar com o sorriso artificial?

 

Não há com o que se preocupar: os dentes e a gengiva das próteses são produzidos em resina acrílica, de modo que fique muito próximo à cor, formato e características naturais do paciente.

 

Agende sua avaliação e descubra qual a melhor prótese para o seu caso. Junto a um cirurgião dentista, será possível identificar encontrar a opção que mais devolverá saúde ao seu sorriso!